sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Pós-democracia: a era dos palhaços.

Hoje um "clown" tomou posse na (ainda) nação mais rica e poderosa do mundo. Os palhaços entretanto podem ser bem perigosos. A aristocracia alemã, nos anos 20, ria-se de Hitler e de seus seguidores de camisas pardas. Considerava-o, com todo aquele histrionismo, apenas um palhaço.
Mussolini, nos palanques fazendo caretas, também era considerado pelos bem-pensantes, apenas um jocoso jornalista que, por acaso, havia ascendido na política e que não iria longe.  Deu no que deu!

É obvio que a situação hoje é diferente. Por mais ridículo que seja, Trump não manipula uma estrutura partidária e as instituições americanas não estão fragilizadas como na República de Weimar ou na Itália dos anos 20. Mas não deixa de ser significativo que esse novo "clown" tenha sido eleito justamente em uma era em que se sobressaem líderes da extrema direita, como Marine Le Pen, na França, o primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán,  Norbert Hofer, do Partido da Liberdade, na Áustria, o próprio Nigel Farage do UKIP no Reino Unido. Em outros países europeus há um claro avanço desses partidos, que, de um modo ou de outro, desprezam a democracia representativa.

O processo começa com o desencanto. O eleitor está cansado de ser enganado pelos que deveriam ser seus representantes. Os votos então oscilam entre líderes populistas sem significado político (como o palhaço Tiririca no Brasil) e votos nulos, em branco e abstenções. Isso facilita o acesso ao poder desses partidos pós-democratas (digamos assim). Com 20 ou 25% de apoio na população eles conseguem a maioria dos votos válidos facilmente e, de imediato, estão encarapitados no poder, absolutamente dentro das regras democráticas.

No Brasil estamos sujeitos a viver uma situação semelhante. Ninguém acredita mais nos políticos tradicionais. Além de não representarem os interesses da população, os partidos e seus agentes demonstraram que o único interesse político que tinham era o do enriquecimento pessoal ilícito. É um ambiente de terra arrasada no qual chegaremos a 2018. A grande pergunta que se faz é: em quem vamos votar em 2018? Quem escapará da devassa da Lava Jato? É um momento histórico de inflexão: ou teremos a sorte de aparecer um grande líder político que levaria o país aos caminhos da recuperação moral e econômica, ou (o mais provável) vamos eleger um novo palhaço, um novo Jânio Quadros, um novo Collor ou coisa pior.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Realidade nua e crua

O governo diz que a crise nos presídios estava fugindo ao controle. Que eufemismo! Desde quando o governo (qualquer governo) teve algum controle dessas facções nos presídios?

Não tem controle sobre as facções porque elas são apenas a ponta mais baixa de uma cadeia criminosa que começa no próprio governo. As facções são uma consequência do crime organizado que atua nas grandes esferas do poder.
É assim na Itália, é assim na Colômbia, é assim no Brasil. Crime organizado e política suja estão sempre de mãos dadas. Só não vê, quem não quer.

A única maneira de a sociedade brasileira se ver livre dos caos, ou melhor, fazer o crime retroceder aos níveis civilizadamente aceitáveis é radicalizando na escolhas políticas. É eliminando da vida pública, um a um, esses bandidos que a infestam e deturpam e impedem até mesmo as ações dos poucos bem intencionados, que, por incrível que pareça, ainda existem.

Sou particularmente favorável à reinstauração da pena de morte para crimes hediondos e, obviamente classificaria esses grandes crimes de corrupção nesse grupo. 

Não há nada mais hediondo do que roubar uma nação inteira e provocar a morte de crianças por falta de assistência e de saneamento básico, a morte intelectual de toda uma geração por falta de educação, a morte milhares de cidadãos aptos ao trabalho por causa de epidemias perfeitamente evitáveis e a condenação à penúria financeira de outros milhões pelo desemprego. Enfim, a condenação ao atraso permanente de uma nação que não é capaz de se desenvolver tecnologicamente, muito menos inovar e se tornar competitiva em um mundo globalizado e cada vez mais exigente, travada que tem sido por esses traidores da pátria.

É óbvio que no país cordial, jamais vai se instaurar a pena de morte oficialmente, embora ela já esteja instaurada nas ruas, a critério do assaltante de plantão. Mas, gostamos de negar a realidade. Somos também o país dos eufemismos. Gostamos de apresentar uma face oficial, bonitinha, asséptica e esconder a realidade brutal debaixo do tapete. A questão é que a realidade escondida cresce debaixo do tapete, sai do controle e invade, nua e crua, as vidas assépticas na hora em que menos se espera. O que estamos vendo nos presídios é a realidade brasileira pondo a cabeça para fora. Até quando permaneceremos assim?



terça-feira, 17 de janeiro de 2017

O Quarto Poder

Há um meme viralizando na internet que afirma que o quarto poder no Brasil não é a imprensa, como se diz das democracias ocidentais. Neste pobre país, temos um quarto poder diferente de todos os demais. Temos o Executivo, o Legislativo, o Judiciário e agora o Poder Presidiário! De certo modo, isso é a mais pura verdade.

Esse quarto poder, no seu âmbito de ação, não tem nenhum poder que se lhe contraponha. É absoluto. Estamos vendo aí todos os dias, como eles mandam e desmandam nas prisões. 

Lá eles fazem o que querem. Recebem armas, celulares com os quais comandam o mundo de fora e o que mais queiram. Não há polícia, agente penitenciário, poder judiciário que tenha controle sobre esses grupos. O Estado brasileiro está fora dos presídios e assiste impotente à guerra que grupos rivais desse quarto poder travam entre si.

Ao Estado e seus agentes só compete fazer de conta que fazem alguma coisa.

domingo, 15 de janeiro de 2017

Pura demagogia

"A gente está colhendo o que foi plantado há muito tempo. Vocês ficam revoltados porque um jovem de 25 anos foi preso? Quem é o culpado pelo jovem preso? O que deram de oportunidade quando ele tinha sete ou nove anos? Se eu não dou educação, oportunidade para trabalhar, essa pessoa vai fazer o que na vida?", questionou Lula em discurso recente.

Lula é um mistificador. Isso já sabemos. O problema é que ele ainda pode enganar uma parte do povo. Ninguém vai fazer as contas, pois se fizesse constataria que esse jovem de 25 anos, nasceu em 1992, tinha 11 anos em 2003, quando Lula era o presidente da República. Esse mesmo jovem tornou-se adolescente e jovem adulto, sem educação e sem oportunidade de trabalhar e foi cooptado pela criminalidade, em pleno "reinado" petista, que nada fez para mudar a realidade "desse jovem".

É revoltante que a mídia continue propalando as mentiras e os estratagemas desse notório ladrão de dinheiro público, sem questionar nada. Nem mesmo fazer uma continha de aritmética para demonstrar que esse chefe mafioso só pode estar falando mal de seu próprio governo.

Lula joga coisas assim ao ar. Acusa, sem dizer o nome dos acusados e muitas vezes "cola", como se ele fosse realmente um defensor dos desvalidos, entre as pessoas mais simples. Entre os domesticados pela ideologia do partido não se vai esperar uma atitude dessas. Quem pode esclarecer as coisas para o povão, ou é a imprensa independente, ou os partidos que se contrapõem ao populismo petista. Mas, ao que tudo indica, esses partidos estão ocupados demais com seus próprios problemas para "perder" tempo com essas coisas.

Depois, todos se espantam com a perda de representatividade da atividade política! Os partidos tradicionais não falam com o povo, portanto sobra lugar para os demagogos que falam qualquer coisa que o povo queira ouvir. Está aí o exemplo do Trump. Após o desastre não adianta chorar.

Felizmente, no caso de Lula, sua candidatura só pode ser uma brincadeira de mal gosto. Ele (e todo mundo) sabe que não escapa da cadeia em 2017. Essa pretensa candidatura é apenas mais uma tentativa de emprestar cores políticas inexistentes ao fato iminente de sua prisão. Mas não deixa de ser um motivo para reflexão dos líderes políticos ainda existentes: se Lula pudesse ser candidato em 2018, será que não faria um estrago?

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

A droga do poder

O Brasil, que trabalha e paga impostos, vive hoje espremido entre duas forças: o crime organizado do tráfico de drogas e o crime organizado do tráfico de poder. 
A droga do poder e o poder da droga são equivalentes. Um é a imagem especular do outro e se complementam, até mesmo se confundem em determinadas circunstâncias: lembremo-nos do helicóptero pertencente a um senador e que foi interceptado com 400 quilos de cocaína.

No meio, estamos nós, indefesos, submetidos ao medo e à insegurança todos os dias. Vivemos em Aleppos, em um país há muito conflagrado e que, cada vez mais, vai perdendo as condições de civilidade, submetidos a um Estado que se desmantela a olhos vistos e vai se tornando uma terra de ninguém, onde o que impera é a lei do mais forte. É a barbárie se aproximando de nós.

O psicanalista Carl Gustav Jung disse que a civilização é apenas um verniz em cima da barbárie e que, basta um pequeno relaxamento no controle, para que esse verniz se desfaça e a barbárie venha a tona com todo o seu horror. Hoje vivemos sob essa ameaça. Os bárbaros estão ali, do outro lado, espreitando. O muro que os detinha está se despedaçando e logo, logo, a seguir nesse passo, serão eles que ditarão as regras. Já o fazem nos territórios atuais de seu domínio, como nos morros e nos presídios. O Estado não tem condições de os enfrentar, mal dá conta de si mesmo, um Leviatã que só aumenta de tamanho e de voracidade para não fazer nada além de se alimentar do trabalho dos outros.

Onde vamos parar? Na verdade, tudo é urgente no Brasil. Tudo requer conserto imediato e o conserto de uma área depende do bom funcionamento de outra. Nunca se imaginou que pudéssemos chegar a uma situação dessa. Mas chegamos. Agora, como uma nação em guerra, não há outra possibilidade que não a de encontrar uma saída e começar a reconstrução do zero. Remendos não valem. Tem que ser reconstrução mesmo, do zero.